i can really use a wish right now

/ segunda-feira, 15 de novembro de 2010 /
1. tenho muito que agradecer na minha vida. ultimamente eu consegui tanta coisa que eu realmente não tenho do que reclamar. mas...

eu tenho essa sensação horrível que não sai de mim e vai crescendo, crescendo... não sei. tá acumulando. faz tempo. sabe a música da katy, que ela diz "você já se sentiu enterrado a sete palmos, gritando e ninguém te ouvia?" então, mas a diferença é que eu não grito. eu fico vivendo e consumindo ar, sem ter forças para gritar. só vivendo. e fazendo as coisas. e como eu não tenho noção por que estou vegetativa, cheguei num ponto onde não ligo mais:

  • sobre o que falo;
  • sobre o que como;
  • sobre meu futuro;
  • minhas notas? taquei um foda-se;
  • sobre sobriedade;
  • sobre sanidade.
eu abri um saco de biscoito de banana e canela (meu favorito) ontem e fiquei lá, só olhando pra dentro, me perguntando "e agora?". o que eu tô fazendo? por que eu me sinto assim, com meu saco cheio de coisas gostosas mas me preocupando e sentindo mais aquele espaço vazio?

conversei com um amigo meu, de 50 anos, que é as crazy as me, professor de filosofia e sociologia, e ele me disse que eu estou completamente contrária a maré: que sou a síntese do pessimismo e ceticismo. que não vou a lugar algum com esse comportamente ou essa cosmo-visão.

então eu perguntei pra ele: mas como eu faço pra NÃO pensar? NÃO ser assim? NÃO sentir assim? pedi: me dá só uma idéia, só o início do fio pra me guiar nessa descoberta...

tô perdida, mas tão perdida que já até não ligo mais se estou perdida.

0 comentários:

 
Copyright © 2010 gaveta writer - diario ficticio, All rights reserved
Design by DZignine. Powered by Blogger