Mariana está obcecada por um garoto

/ sexta-feira, 27 de dezembro de 2013 /
Mariana era obcecada por esse cara. E a era digital complicou mais ainda as coisas.

Ela postava no Facebook só coisas que tinha pensado sobre antes, com muito cuidado. Será que ele vai curtir?, ela se perguntava. Será que vai passar uma imagem interessante de mim?

Ele no Instagram. A cada meia hora dava uma checada pra ver se tinha alguma atualização nova. Cada foto, seja de nuvem ou de algum livro que ele estava lendo, deixava Mariana mais obcecada por sua personalidade. Obcecada e encantada. Estava tão vidrada no garoto que ele poderia estar lendo Nicholas Sparks que ela ia achar interessante - provavelmente ele estava fazendo aquilo de um jeito irônico.

No Twitter, passava minutos em cada atualização, tentando achar algum significado escondido em cada uma e, assim, talvez, alguma indireta. Para ela. Checava quem dava reply, sobre o que eles conversavam e tentava entender as piadas internas entre ele e seus amigos.

Começou a construir um mundo ao redor dele. Viu em seu Facebook que tocava violão, então se imaginou no quarto do rapaz, deitada em sua cama, no crepúsculo do dia, enquanto ele dedilhava e cantava músicas para ela. Podia até ser Los Hermanos. Depois, ele deitaria com ela, a encheria de beijos e os dois falariam de coisas que não tinham contado antes para ninguém, e diriam que eram de cada um, de cada um, de cada um e mais ninguém.

Um comentário intimista no último status dele no Facebook. Quem era aquela menina? Ah, na verdade, a conhecia. Ela não era nada demais em termos de aparência, mas fabulosa em termos personalidade. Era feminista, letrada, talentosa. Mariana chegou a conclusão que era daquilo que ele gostava. Feminista ela já era - ou pelo menos estava no caminho de ser. Ainda estava se educando e ainda cometia tropeços, mas ia chegar lá, um dia.

Mariana percebeu, neste exato momento, que não estava sendo muito feminista. Obcecada por um garoto e deixando sua vida inteira rodar com ele no centro. Mas e a liberdade? E se ela QUER que ele seja o centro, pelo menos por duas míseras semanas?

Pensou que talvez fosse dondoquinha demais. Pensava em sexo demais. Ele era nerd, talvez queresse alguém mais dorky. Mas ela valorisava sua aparência como mulher, e tinha orgulho disso. Usava maquiagem pesada, fazia escova no cabelo, ouvia Beyoncè e aspirava ser poderosa e gostosona que nem ela. Sabe aquele trecho na Lana? "If I get a little prettier, can I be your baby?" Bem, esse talvez não fosse o caso.

Mas Mariana não queria nada demais, pelo menos era o que ela dizia. Mariana era gato escaldado. Mariana só queria alguém para querer e que a quisesse. Praia ao entardecer, picolé na praça, chopp no Buxixo. Um amigo, um amigo.

Ela desligou o computador e foi comer pizza.

0 comentários:

 
Copyright © 2010 gaveta writer - diario ficticio, All rights reserved
Design by DZignine. Powered by Blogger